17 de agosto de 2015

Os dias cá por casa.

Às vezes sinto-me perdida, confesso. Nem tudo é sorrisos nesta coisa de ser mamã de dois a tempo inteiro. Lembro-me de estar na maternidade após o nascimento do pequeno Dinis e pensar que ia aproveitar o melhor que conseguisse esta licença de maternidade. Ao contrário do primeiro parto, neste recuperei super rápido. No próprio dia se me tivessem dado alta da maternidade teria vindo pelo meu próprio pé embora, na boa. No entanto, e após estes primeiros 4 meses o balanço é claramente positivo mas… sim mas… não foi tão fácil como imaginei. Ter ao meu cuidado dois bebés… torna-se muitas vezes caótico. O Diogo, por opção nossa, ainda não está na escola. Assim com dois não foram poucas as vezes que dei por mim a chorar, com estas hormonas todas descontroladas e a sentir no corpo um cansaço extremo. (Estou com uma dor de costas que faz inveja a avós de 90 anos!) 
Tenho a sorte de ter uma mãe fantástica que me tem ajudado tanto mas tanto que não sei como retribuir. Depois também tenho um marido para lá de fixe que cuida de mim e dos nossos melhor do que ninguém. (Obrigada P, dá um desconto aqui à mamã, as hormonas são lixadas!) 
Estar sozinha com os dois é um desafio constante, há momentos que fico de coração do tamanho de uma ervilha. Quando estou a dar de mamar e o Diogo pede a minha atenção. Quando o Diogo quer colo e o Dinis está a berrar desalmadamente por atenção. Quando o Diogo quer brincar aos popós e aos legos e não consigo que o Dinis fique em lado nenhum a não ser no colo. Quando o Diogo quer que o adormeça com mimos e histórias e o Dinis resolve acordar a chorar nesse mesmo instante. Quando tenho de sair com os dois, e mais sacas e mais fraldas e mais brinquedos e mais mudas de roupas. Depois, bem... depois há os outros momentos em que o meu coração transborda de tanta felicidade. Nestas e noutras alturas sinto-me bipolar. Tanto me derreto com os sorrisos e gargalhadas como no instante seguinte me apetece fugir. Estar com dois, tentar não falhar com nenhum e ao mesmo tempo, ter de gerir atenções e não falhar com mimos e colos não é fácil!
Mas uma coisa é certa, estou a fazer o meu melhor e se há coisa que não me vou arrepender é de não aproveitar estes dias com eles. Com sorrisos, com choros, com gargalhadas ou amuos (deles e meus, que todos temos direito) estes dias junto dos príncipes são inesquecíveis. Um dia vou ter saudades. Tenho a certeza.

10 comentários:

  1. A maternidade é a coisa mais espetacular que existe, mas quem diz que é fácil está a mentir!

    ResponderEliminar
  2. Sabes descreves perfeitamente como me sinto às vezes.
    Mas minha querida acredita que fazes o melhor que podes e sabes, dás-te a 100% e mais do que isso ninguém te pode exigir.
    É maravilhoso ser mãe, não é perfeito mas é real , é humano.
    Beijocas

    ResponderEliminar
  3. Não deve ser mesmo fácil eu só tenho uma e há dias de doidos, nem imagino tu. Nessas alturas fecha os olhos 1 segundo e respira fundo...beijinhos

    ResponderEliminar
  4. O António está agora com 9 meses e acho que já entramos todos na rotina. Tudo já flui melhor e a Alice está muito mais obediente. Já o entretém se tenho que estender roupa ou fazer sopa. Daqui a uns tempos será ainda melhor. O tempo voa, tu sabes. ;) bj

    ResponderEliminar
  5. Quando leio estes posts no teu blog, fico com tanto medo. Se eu já não me dei bem com os primeiros tempos do T. e tinha só um imagino se vier o segundo. Não sei, realmente não sei o que faça... Por aqui andasse a arrastar uma decisão.

    ResponderEliminar
  6. Um Mundo a Três... como sabes a maternidade não é fácil. Tu sabes disso. E nem sempre nos dizem que há dias maus e que nos vai apetecer fugir. Quem não tem empregadas, quem opta por amamentar, quem fica com eles a tempo inteiro,... sofre na pele o cansaço. Por isso sempre idealizei ter os dois seguidos. Acho que me custará menos... sei lá... já não sei nada... Nestas coisas não há receitas. Força nisso! Porque depois há momentos tão mas tão bons!

    Beijinhos! ;)

    ResponderEliminar
  7. A tua coragem inspira-me mas não passa disso :D por agora fico assim "mono-mãe" LOOOOOL daqui a uns 3 anos ou assim. Mas venero a tua força (bem como de outras mamãs que conheço na mesma situação e com mais crianças até) e dedicação. Neste momento e com tanta coisa a passar na minha vida não sei o que faria com 2 crianças em casa... É que somos só 2. Por mais que tenha uma mãe a querer ajudar ela mora mt longe e tb não está a passar uma fase boa pelo que jamais lhe pedirei (ainda mais) ajuda.

    Por isso, ser mãe novamente é algo lá muitooooooooooo looooooongeeeee! Só por descuido AHAHAHA

    Beijoca e aproveita muito!!! E uma vez mais parabens pelas crias lindas <3

    ResponderEliminar
  8. Pobre(o)Tanas ... se não tivesse a minha mãe perto e com força e paciência para me ajudar confesso que já tinha enlouquecido. Mesmo. Por isso compreendo-te bem.

    ResponderEliminar
  9. Eu também me senti um pouco perdida coma chegada da minha Pimentinha, logo no início. Aquele primeiro mês foi um pouco caótico. Depois fui mecanizando as coisas mas penso muito como será quando tiver um segundo filho. Penso mesmo muito nisso, a ponto de pensar (e não ter resposta) qual a melhor altura para se ter outro. Mas pronto, vamos usufruir para já ao máximo desta primeira filha e... depois logo se vê!

    ResponderEliminar
  10. A Pimenta*... eu sempre me imaginei a ter os dois com a diferença de 2/3 anos. Têm exatamente 2 anos e meio.... e não foi fácil... estar sozinha com os dois, porque o mais velho ainda não frequenta a escola é difícil. Não digo o contrário. Mas também já me disseram que deixar mais anos também custa, pois depois já nos habituamos às rotinas sem fraldas, sem choros, sem horários rígidos, e sem noites mal dormidas que depois custa novamente a adaptação... ora não sei não... é muito difícil e acho que o timming certo depende sempre da organização familiar...

    ResponderEliminar

Design, coding and theme by Ana Garcês.
Três Quartos de Tudo © 2014-2016