15 de setembro de 2015

Ainda a escola. Ai a escola.

A entrada do Diogo na escola não foi planeada. Foi sendo pensada mas não planeada. Tivemos a sorte de a minha mãe ficar com ele a tempo inteiro, desde os 5 meses até hoje, um mês antes dos 3 anos. Estava no melhor local do mundo, depois da nossa casa claro. Tinha mimo, atenção, colo sempre que queria. Era mimado e feliz em casa da avó. Muito feliz. Mas nós tinhamos a perfeita noção de que quando nascesse um mano que o Diogo teria de ir para a escola, que não conseguia sobrecarregar mais a minha mãe e que pensava eu, os três anos era a idade ideal para a entrada na escolinha. Por isso tudo perfeito. Mas caramba sinto-me tão perdida ainda, tão sensível e com as lágrimas nos olhos sempre que o imagino numa sala fechado com mais 20 crianças ao cuidado de alguém que acabou de conhecer e que eu própria vi duas vezes na vida. Como é que confio assim o meu filho? O MEU filho. Dói. Mas dói tanto. E não sei se dói por vê-lo crescer, se dói por pensar que era eu que ali devia estar com ele, a brincar, a pintar, a correr e a saltar. Era eu, ou o pai. Ou a querida avó. E depois penso que ele está na escola porque entretanto teve a felicidade de ter um mano. Um mano, um companheiro para a vida. Mas que fez com que o Diogo fosse para a escolinha. E fico triste. Mesmo, mesmo triste. E depois paro e penso, que não devo pensar assim que ele está bem e que continua a ter a tremenda sorte de estar na escola apenas das 09h às 13h e que depois vai para a avó ser mimado. E dormir. Dormir a sesta que tanto gosta e precisa. E que nós pais achamos fundamental. Tenho de pensar assim, que o meu bebé crescido é um privilegiado e tem o melhor dos dois mundos. Escola, brincadeira e convívio com amigos e depois mimo da avó, e do mano. 

Diogo, um dia que me leias ficas a saber que tiveste o melhor dos dois mundos, ok? O melhor! O melhor que te conseguimos dar. Sempre. Tenho de pensar assim.

Lembrei-me disto tudo e fiquei com um nó quando li isto, da querida CS.

7 comentários:

  1. Acredita que com o tempo esse sentimento melhora, não passa mas melhora. É como dizes, tem tempo para tudo, para brincar com crianças da idade dele e para ter o mimo da família. Bjs

    ResponderEliminar
  2. Tens de relativizar esses sentimentos porque, com a idade que ele está, está comprovado cientificamente que só benefícia com a escola! Relaxa e aproveita e incentiva-o. Se ele te sentir insegura, também ele fica inseguro! Beijinhos grandes

    ResponderEliminar
  3. Vais ver que com o tempo, tudo melhora! E esses sentimentos ficam mais "suaves" (quero ver se daqui por um tempo digo o mesmo que agora... :p)

    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Aiii como te compreendo!! Hoje foi o primeiro dia da minha bebé e sinceramente ainda nem sei como estou, assim que a ouvi chorar tive vontade de a arrancar dos braços da auxiliar e sair dali disparada mas não podia...custa tanto! Força querida dizem que nos custa mais a nós do que a eles e quero acreditar que é verdade

    ResponderEliminar
  5. Ele é, sem dúvida, um menino muito amado. O dia chega e custa ve-los crescer. Sair às 13h é um luxo. Terá brincadeira toda a manhã e descanso do lar e família da tarde. O mano que o levou mais cedo à escola vai ser o seu melhor amigo.
    Sossega o teu coração pois fazes o melhor por ele e o que precisam para serem todos felizes.
    Bj de coração

    ResponderEliminar
  6. Obrigada meninas. Não está a ser fácil... hoje voltou a chorar... :(

    ResponderEliminar
  7. Custa, sim! Eu só descansei quando a levei lá uma e outra vez enquanto a escola estava "fechada". Assim fui-lhe dando a conhecer o espaço e os adultos antes do grande dia em que há sempre muita confusão entre pais, crianças e educadores/auxiliares.
    Enfim, hoje foi o primeiro dia e correu bem! A ver se corre assim daqui para a frente.
    Beijinhos e força aí para o Dioguinho.
    Hoje correu melhor?
    Beijinhos

    ResponderEliminar

Design, coding and theme by Ana Garcês.
Três Quartos de Tudo © 2014-2016