2 de setembro de 2015

As primeiras férias a 4.

Férias são férias mas a verdade é que parti para estas primeiras férias a quatro com muita vontade, muita ansiedade mas com as expectativas baixas. Com dois bebés, um de 33 meses e outro de 4 meses, estava preparada para não ir à praia, para não dormir de noite e para conseguir com sorte dar um ou dois mergulhos nas piscinas do empreendimento maravilhoso onde ficamos. Estava preparada para não ler e para não conseguir ver séries. A verdade é que li, revistas cor-de-rosa mas li. Não vi séries mas fui todos os dias à praia e à piscina. Acordei de 2 em 2h de noite para dar de mamar mas fui dormitando nos intervalos. Sobrevivi. Tive uma grande, mas mesmo grande ajuda: os meus pais comigo. O que me permitiu não ter de me preocupar com almoços e jantares e com as sopas do Diogo. Só isto deu-me folga para conseguir concentrar-me nos pequenos e conseguir gerir as coisas, e o cansaço. As refeições em família são lindas mas ainda não as domino. Com as mamadas do mais novo, e as sopas do mais velho (que não prescindo de lhe dar) as refeições podem tornar-se os momentos do dia mais stressantes. Os meus pais safaram-me desta parte. 

Quanto à praia, estava com receio de levar o Dinis. O pediatra não aconselha praia até aos 6 meses nem mesmo o protetor solar. No entanto, e conscientemente resolvi que o iria levar comigo de manhã à praia. Foi no babycoque e ficou sempre debaixo do guarda-sol. Portou-se lindamente. Estava lá com ele e dava de mamar sempre que pedia. Dormiu umas belas sonecas o que me permitiu usufruir da praia nesses momentos e brincar com o mais velho, que também merece. Não me arrependi da opção de descomplicar e o levar comigo. 

Mas o que mais me custou nas férias foram as viagens. 600km com dois bebes não foi fácil. O Diogo portou-se lindamente e foi cantarolando umas músicas connosco e dormindo nos intervalos. O Dinis na ida dormiu imenso e acordou sempre quase perto de estações de serviço, o que permitiu encostar e dar logo mama antes que soltasse a goela. Mas na viagem de regresso… ui… pouco dormiu e resolveu berrar desalmadamente no babycoque. De tal modo que nos fez parar em plena autoestrada para eu conseguir passar para o banco de trás e entretê-lo. Andei entalada centenas de quilómetros entre o isofix do babycoque e a cadeira cybex sirona do Diogo que de pequena não tem nada. As minhas costas ainda hoje se queixam. Foi horrível a viagem e só me apetecia chorar de desespero de não o conseguir calar. Acho que paramos em todas as estações de serviço. Tirava-o do babycoque e o pequeno era só sorrisos, colocava-o lá e começava o berreiro. Acho que o príncipe mais novo gostou do Algarve e não gostou nada de vir embora. Há que mostrar o desagrado. 

A verdade é que também me custou vir embora. Foram dias fantásticos. Muito sol, sorrisos, família (já disse que tivemos o privilégio de também ter o meu irmão connosco?!), praia, piscina, mimos e aventuras. Ver o Diogo delirar com a praia e com o mar valeu tudo!

7 comentários:

  1. Já pensei que nas férias, o mais complicado vai ser as viagens. É que pela experiência do meu filho, não é uma coisa em que ele vá a dormir o tempo todo. Muito pelo contrário, e distraí-lo nem sempre foi fácil mas comigo atrás a coisa ia indo. O pior é que quando forem os dois, com o carro que temos, não o poderei fazer. Simplesmente não cabe com duas cadeiras... pode ser que tenha a sorte da minha filha ser das que dorme muito tempo.

    ResponderEliminar
  2. Este ano também levamos os avós conosco. Vieram embora uns dias antes de nós mas a verdade é que ajudou muito a que pudéssemos dar passeios à beira mar e tomar banho de mar juntos! :)

    ResponderEliminar
  3. Que bom que tudo correu bem, pensa na viagem só como um pequeno pormenor =)

    ResponderEliminar
  4. O bebé da minha irmã foi para a praia com cerca de 3 meses. Ficava debaixo do guarda-sol, mas respirava a maresia. :D

    ResponderEliminar
  5. Mãe Sabichona olha que eu no carro atrás, ia mesmo entalada entre as duas cadeiras no carro. Não tinha quase espaço. Mas ou era isso ou o puto ir a berrar a viagem toda. Foi mesmo desgastante.

    ResponderEliminar
  6. Este ano fomos de férias (a sério!) os três pela primeira vez e reconheço facilmente que se os avós lá estivessem, teria sido mais fácil. É tudo totalmente diferente, mas a verdade é que uma pessoa depois tem de se adaptar à nova realidade, Com dois filhos acredito que seja ainda mais cansativo e desgastante. São férias mas nunca mais se usufrui das coisas como quando eram só dois.

    O importante é que tudo correu pelo melhor, excepto a viagem de regresso, mas agora é hora de (infelizmente) dizer adeus ao descanso. Seria tão bom que estes momentos durassem ainda mais.

    ResponderEliminar
  7. Deve ser complicado, mas tb uma animação :)

    ResponderEliminar

Design, coding and theme by Ana Garcês.
Três Quartos de Tudo © 2014-2016