21 de julho de 2016

O que muda com os filhos? Ou coisas complicadas de gerir quando passamos a ser mãe de dois.

Os filhos mudam tudo. Todos sabemos. Mesmo aqueles que ainda não são pais nem aquelas que ainda não são mães sabem que um filho muda tudo. Podem pensar que não, que isto, que aquilo, porque esta teoria blá blá e a outra blá blá... e que comigo vai ser diferente e blá blá blá... Mas um filho muda tudo. Ponto. Mudam as prioridades, mudam as rotinas, muda a nossa visão sobre mil e uns aspetos da vida diária. Ganhamos muita coisa, perdemos outras. Mas falta de tempo para mim como mulher, e para "nós" cá de casa como casal, são as coisas que mais me custam nesta coisa da maternidade. Essa falta de tempo, e sem a menor dúvida, foi bem mais notória cá em casa, quando passamos de 1 para 2 filhos. Aí a coisa complicou-se a sério. E muitas são as vezes que me sinto perdida, e não sei o que fazer mais para ganhar de novo esse tempo. Se antes do segundo filho, deixava algumas vezes o D. a dormir em casa dos avós, agora com dois sinto-me culpada em fazê-lo, sobrecarregar os meus pais com os dois à noite quando já passam o dia com eles, parece-me excessivo e abusivo. Nunca o fiz. Ou fica um ou fica outro. E contam-se pelos dedos de uma mão as vezes que o fizemos. Mas desta forma, lá está, nunca estamos só dois. E esta gestão casal\filhos\família\momentos-a-dois é das coisas mais complicadas de gerir. Quais grandes empresas quais quê, esta gestão familiar é "o" grande desafio. 

12 comentários:

  1. Pois aqui não deixamos nem uma nem outra a dormir... De vez em quando vamos ao cinema, jantar, etc, mas a dormida das crianças é cá em casa! (Quer dizer, desde que temos a bebé só conseguimos ir tomar um café sozinhos, mas já não é mau!!)

    ResponderEliminar
  2. Não sei como será com 3 filhos e espero não estar enganada. Porque acredito e quero acreditar que teremos tempo para os dois como tivemos só com o T (excepto no seu primeiro ano em que amamentar acabava por ser "uma prisão"). Por aqui temos 4 avos muito prestáveis e acredito que uns numa casa e outros noutra conseguiremos as nossas noites e as nossas viagens a dois (não tantas, eu sei, há que ser realista), mas preciso muito delas, senão enlouqueço. Gosto muito dos meus filhos, o melhor do mundo, mas também gosto muito de estar com o meu marido, de estar comigo, de estar com amigos e de ter uma ocupação profissional. Vai ser difícil mas vou acreditar que vou conseguir. Tenho que acreditar.

    ResponderEliminar
  3. Pois... penso muitas vezes nisso. Sendo mãe de uma cria com quase 4 anos, são muitas as vezes que fica com os avós. Ora com uns, ora com outros, lá vai pedindo para ficar com eles ou os próprios avós se oferecem muitas vezes. Essa vontade, por parte da pequena, aumentou com a ida para o infantário.
    Mas penso sempre como será com dois. Porque deixar uma é uma coisa, deixar dois é completamente diferente... E às vezes precisamos mesmooo de um tempo a dois. Faz parte e é saudável!

    ResponderEliminar
  4. Cà em casa também somos 4. As prioridades são sempre os pequenos. O nosso L. com 3 anos e meio e o nosso S. com 14meses. Ser mãe a tempo inteiro tem que se lhe diga juntando- lhe todas as tarefas domésticas e toda a vida a dois que não pode ser esquecida.
    Um beijinho querida

    ResponderEliminar
  5. Este texto poderia ter sido escrito por mim!... Nem tempo para mim, nem tempo para organizar tanta coisa há tanto tempo em lista de espera para a casa, etc, nem tempo para o marido...
    um dia destes fica um filhote nos avós paternos e outro nos maternos e vamos ter 1 fds só para nós... tenta o mesmo, recorrer aos avós, se tiveres essa possibilidade!

    Tb gostava de saber como se organizam mães de 2 ou mais... ando de rastos e não acredito q este fds vá resolver, vai ajudar mas...sei lá... enfim...

    ResponderEliminar
  6. Com a mudança que tenho vindo a verificar na minha irmã, desde que nasceu baby sobrinho, constato que tudoooo muda.

    ResponderEliminar
  7. Beijinhos a todas as mamãs... somos umas guerreiras à procura de ser perfeitas em tudo. Continuo a dizer que acho essencial arranjar tempo para nós, para o casal... e isso, dependendo da rede familiar mais próxima, pode ser tão difícil.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida! Aqui apesar de termos muito apoio durante o dia, para passarem uma noite já é complicado!

      Eliminar
  8. Oh meu Deus, identifiquei-me com cada palavra aqui escrita!
    "falta de tempo para mim como mulher, e para "nós" cá de casa como casal, são as coisas que mais me custam nesta coisa da maternidade" - subscrevo inteiramente! E tenho apenas uma filha, acredito que com dois a coisa é pior ainda. No meu caso e como só posso contar com a minha sogra para ficar com a minha filha sinto-me culpada porque durante a semana a miúda já fica na avó 9 horas por dia... e custa-me sobrecarregar a minha sogra com mais hora de babysitting. Ser mãe tem destas coisas, é um facto. Nem sempre é fácil de gerir!

    ResponderEliminar
  9. E vale a pena todos esses sentimentos menos bons associados à maternidade? Vale a pena quando comparado com o que se "perde"?

    ResponderEliminar
  10. Isabel, pode parecer masoquismo mas mesmo assim vale muito a pena entrar no mundo encantado da maternidade! Mas sem dúvida alguma!

    ResponderEliminar
  11. A Pimenta* por cá também só os meus pais ficam com eles e sei bem o quanto custa pedir para ficarem com eles além das horas todas que ficam enquanto trabalhamos. Não é fácil não, esta gestão. beijinhos!

    ResponderEliminar

Design, coding and theme by Ana Garcês.
Três Quartos de Tudo © 2014-2016